Verdade Oculta

A BASE DA SALVAÇÃO II

A BASE DA SALVAÇÃO II
“Mas Amauri, nós não precisamos fazer nada mesmo pela nossa salvação”?
Nada!
Porque se você tiver que fazer alguma coisa, então você pode se salvar sozinho. Imagine, alguém cai num buraco, se ele pode pelo esforço sair sozinho, então por que ele precisa ser salvo? A salvação é quando você não pode fazer nada por você mesmo e, depende totalmente de um outro.
A salvação eterna não tem nada haver com as condições e comportamentos do homem; só tem haver com um só fato: fé para recebê-la. Veja a seguinte analogia: se uma pessoa está acometida com uma doença mortal, não há nada que a condição dela ( raça, nível de estudo, riqueza, pobreza, ignorância, sabedoria, cultura e etc e etc…) e o comportamento ( meditar, pular, dançar, correr, cantar e etc e etc…) podem fazer para salvá-la.
A única solução possível para o doente é, tomar o remédio que cura, a participação ativa do enfermo é escolher e beber o remédio. A partir do momento em que o remédio entrou na corrente sanguínea do mesmo, ele nada nada mais pode fazer para atrapalhar ou ajudar o remédio, aí a ação para destruir a doença é com o remédio.
Com a salvação é semelhante, você crê e recebe a pessoa do Salvador no seu espírito. A única diferença é que, no caso do remédio, se a pessoa não quiser tomá-lo, você pode enganá-la, fazendo-a tomar sem querer. Já em relação ao Evangelho não existe essa possibilidade. Cada um, precisa decidir por si, se quer a salvação ou não.
Depois de receber a salvação, aí é outra história, a própria vida do Salvador em você, vai levá-lo a viver de acordo com a vontade do Pai, num processo diário, lógico, você vai pecar, mas agora você tem o perdão e a vida dele para te guiar.
“Quanto a vós outros, a unção que dele recebestes permanece em vós, e não tendes necessidade de que alguém mais vos ensine sobre isso. No entanto, a unção que dele procede é verdadeira, não construída sobre a mentira, e vos ensina sobretudo o que precisais saber. Permanecei, pois, nele assim como Ele vos ensinou. Os verdadeiros filhos de Deus”