Verdade Oculta

AS SETE IGREJAS

AS SETE IGREJAS

O livro do Apocalise ( revelação) só pode ser entendido no contexto de toda a Escritura e da história real das nações.
Uma das chaves de entendimento do Apocalipse é essa: “Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer;”
Todo o apocalipse é envolvido em mistérios, com uma linguagem figurada e de difícil interpretação, pois existem mais de mil. Comentar sobre esse livro é como escavar uma gingantesca mina de ouro,
Vou comentar específicamente de maneira geral sobre as sete igrejas.
Sabemos que a igreja ( pessoas que foram chamadas para fora do mundo), é uma só no aspecto universal, mas são várias nas expressões locais. No começo a igreja se dividia de acordo com a cidade onde se localizava, por isso, a frase: “a igreja que está em Roma, Jerusalém, Efésio e etc.
Posteriormente a igreja de Roma cresceu mais do que as demais e as incorporou, mas no começo cada igreja possuia um governo local. Se não fosse assim, então as sete cartas seriam enviadas para uma igreja matriz e depois repartidas para as demais igrejas.
Mas as igrejas locais foi uma realidade histórica que findou, pois os falsos irmãos entraram nelas, a contaminaram de dentro para fora, como a própria palavra tinha previsto: “Eu sei que, logo após minha partida, lobos ferozes se infiltrarão por entre a vossa comunidade e não terão piedade do rebanho.” Por isso, hoje toda tentativa de “restaurar as igrejas locais” desemboca em seitas e denominações disfarçadas.
A igreja jamais foi dissolvida; mas a sua forma de governo local sim, as instituições humanas chamadas de igrejas substituíram as igrejas locais. Desde o fim das igrejas locais até hoje, os discípulos do Salvador são chamados para fora não só do mundo, mas de toda forma de religião e instituições humanas, vivendo apenas pela fé no Salvador.
As sete igrejas em primeiro lugar foram literais, isto é, existiram de verdade, as cartas foram para elas. Em segundo lugar, também são sombras de realidades futuras, apontam para aquilo que aconteceu, acontece e acontecerá.
Podemos dividir as sete igrejas em dois grupos: um de três e o outro de quatro. Por que? Porque nas três primeiras igrejas não é mencionado a volta do Salvador; já nas quatro ultimas cartas a volta dele é mencionada.
Na linha do tempo pode-se considerar as igrejas de Éfeso,Esmirna e Pérgamo, como as igrejas do tempo dos apóstolos e do tempo de perseguição por parte do império romano. Já as igrejas deTiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia são as igrejas que permanecem até a volta do Salvador.
As igrejas locais do Apocalipse apontam de maneira figurada para cada discípulo do Salvador e não para instituições e sistemas religiosos, como alguns dizem.
Dessas quatro últimas igrejas a única aprovada foi a de Filadélfia, por isso ela é o modelo que devemos seguir; as outras são modelos negativos que devemos evitar. Seguir como indivíduos, nunca como organização.